Atenção! Atenção! Atenção! Atenção! Atenção! Atenção!

Toda 2ª feira - Independência Rádio - Falando de Anistia!

Pleno

Pleno

Todos lá!

Todos lá!

Dra. NELEIDE esclarece!

Papo do Blog - Informação é tudo

5 de fev de 2016

Indignação, tristeza e revolta marcaram ato de repúdio contra morte de petroleiro na REDUC


Indignação, tristeza e revolta marcaram ato de repúdio contra morte de petroleiro na REDUC
Ainda era bem cedo, mas o sol já espalhava sua força por trás do arco da REDUC. Companheiros da CIPA, membros de vários Sindipetros (RJ, Caxias e diversos estados), além de representantes das duas Federações, a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) e a Federação Única dos Petroleiros (FUP) se juntavam. O coordenador do Sindipetro Caxias, Sérgio Abbade, ao microfone, começava a pedir que os trabalhadores não entrassem, nem os de turno nem os administrativos. Indiferentes, muitos seguiam seu caminho e cruzavam os portões para mais um dia de trabalho, como se nada tivesse acontecido. A sensibilidade e indignação, contudo, fizeram com que outros parassem. Aos poucos, cerca de 700 pessoas se concentraram para falar, protestar, chorar, lembrar, lamentar, discutir, agir, planejar e rezar, em um comovente ato. Os companheiros e companheiras que desceram dos ônibus  e não entraram  (muitos pela primeira vez), se recusaram a banalizar a morte do técnico de operação pleno Luiz Cabral, de 56 anos, que caiu, na noite de domingo (31/1), por um buraco aberto no teto do tanque 7510, que continha resíduo de vácuo e só foi encontrado três dias depois .  O turno, que começava às 7h, atrasou cerca 3 horas.
“São os gerentes que impõem as metas, que dão as chicotadas, que forçam os petroleiros a trabalharem em condições precárias e perigosas como vemos nesse terrível caso aqui na REDUC. É por isso que é sempre o peão que vai virar estatística dos acidentes. Nossa principal bandeira é pela vida, para que deixemos de enviar coroas de flores às famílias dos nossos companheiros. A insegurança na Petrobrás está cada vez maior, principalmente em função do plano de desinvestimento. A ameaça de privatização também cria um clima muito ruim para nós. A empresa precisa voltar ao patamar de outubro de 2014 porque mais empregos ficam garantidos e a insegurança diminui entre os trabalhadores”, disse o coordenador da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) e do Sindipetro-RJ, Emanuel Cancella.
Muitos companheiros que fizeram uso da palavra,  não usaram a expressão “acidente”, mas sim “assassinato” e “crime”, responsabilizando as gerências e a empresa por negligência. Um dos principais motivos de revolta durate o ato, foi o fato de ter sido  “ventilado”, que um dos gerentes da REDUC chegou a dizer que Cabral teria “se suicidado”. “Isso é uma infâmia, uma vergonha, uma tentativa vil de culpar o companheiro. Cabral era nosso amigo, saiu e foi fazer uma medição de rotina, caiu através de um teto que estava aparentemente seguro, ou seja, era uma armadilha. Ele é uma vítima como tantas outras vítimas da incompetência e da ganância”, disse um dos companheitos de turno de Cabral, que prefere não ser identificado.
A empresa formou um Grupo de Trabalho de Investigação para apurar as causas da morte do companheiro Cabral, mas a Comissão Interna de Investigação de Acidentes (CIPA), da REDUC, além de participar do GT, organizou uma comissão de investigação independente. A FNP está preparando um boletim especial sobre a morte do companheiro que deve circular ainda esta semana.
Ainda era bem cedo, mas o sol já espalhava sua força por trás do arco da REDUC. Companheiros da CIPA, membros de vários Sindipetros (RJ, Caxias e diversos estados), além de representantes das duas Federações, a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) e a Federação Única dos Petroleiros (FUP) se juntavam. 

O coordenador do Sindipetro Caxias, Sérgio Abbade, ao microfone, começava a pedir que os trabalhadores não entrassem, nem os de turno nem os administrativos. 

Indiferentes, muitos seguiam seu caminho e cruzavam os portões para mais um dia de trabalho, como se nada tivesse acontecido. A sensibilidade e indignação, contudo, fizeram com que outros parassem. 

Aos poucos, cerca de 700 pessoas se concentraram para falar, protestar, chorar, lembrar, lamentar, discutir, agir, planejar e rezar, em um comovente ato. 

Os companheiros e companheiras que desceram dos ônibus  e não entraram  (muitos pela primeira vez), se recusaram a banalizar a morte do técnico de operação pleno Luiz Cabral, de 56 anos, que caiu, na noite de domingo (31/1), por um buraco aberto no teto do tanque 7510, que continha resíduo de vácuo e só foi encontrado três dias depois .  

O turno, que começava às 7h, atrasou cerca 3 horas.

“São os gerentes que impõem as metas, que dão as chicotadas, que forçam os petroleiros a trabalharem em condições precárias e perigosas como vemos nesse terrível caso aqui na REDUC. 

É por isso que é sempre o peão que vai virar estatística dos acidentes. 

Nossa principal bandeira é pela vida, para que deixemos de enviar coroas de flores às famílias dos nossos companheiros. 

A insegurança na Petrobrás está cada vez maior, principalmente em função do plano de desinvestimento. 

A ameaça de privatização também cria um clima muito ruim para nós. A empresa precisa voltar ao patamar de outubro de 2014 porque mais empregos ficam garantidos e a insegurança diminui entre os trabalhadores”, disse o coordenador da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) e do Sindipetro-RJ, Emanuel Cancella.

Muitos companheiros que fizeram uso da palavra,  não usaram a expressão “acidente”, mas sim “assassinato” e “crime”, responsabilizando as gerências e a empresa por negligência. 

Um dos principais motivos de revolta durante o ato, foi o fato de ter sido  “ventilado”, que um dos gerentes da REDUC chegou a dizer que Cabral teria “se suicidado”. “Isso é uma infâmia, uma vergonha, uma tentativa vil de culpar o companheiro. 

Cabral era nosso amigo, saiu e foi fazer uma medição de rotina, caiu através de um teto que estava aparentemente seguro, ou seja, era uma armadilha. 

Ele é uma vítima como tantas outras vítimas da incompetência e da ganância”, disse um dos companheiros de turno de Cabral, que prefere não ser identificado.

A empresa formou um Grupo de Trabalho de Investigação para apurar as causas da morte do companheiro Cabral, mas a Comissão Interna de Investigação de Acidentes (CIPA), da REDUC, além de participar do GT, organizou uma comissão de investigação independente. 

A FNP está preparando um boletim especial sobre a morte do companheiro que deve circular ainda esta semana.

Mandem requerimentos à CEI, AGORA!

Estou sugerindo que, TODOS OS QUE foram demitidos entre 16 de março de 1990 a 30 de setembro de 1992, e QUE AINDA NÃO FIZERAM REQUERIMENTO que façam o mais rápido possível, solicitando anistia, à CEI. Já houve prorrogação da CEI, e é importante que os requerimentos, mesmo intempestivos, estejam lá na CEI para posteriores reivindicações! ATENÇÃO! Somente quem NÃO MANDOU REQUERIMENTO NENHUM, ATÉ HOJE!

Passo a passo para fazer seu requerimento!

Modelo de requerimento mandem e-mail para nossaanistia@hotmail.com.br

1º passo - Acessar o CEPROD -Verificar se tem processo de 93 e/ou 94 e imprimir uma cópia!

Se não tiver CPROD, vá direto ao 2º passo

CLIQUE AQUI E ACESSE O CPROD

2º Passo - Preencher o Requerimento

3º Passo - JUNTE ESSES DOCUMENTOS- Cópia do CPROD 93 e/ou 94 ou número do(s) processo(s)

- Cópia da carteira profissional (espelho e página da demissão)

- Cópia do CPF

- Cópia da Identidade

- Cópia de comprovante de residência.

- Se tiver, cópia da rescisão.

e mais outros documentos que possam provar a sua demissão dentro do período da lei 8.878/94.

4º Passo - Protocolar no 7º andar do prédio C -

O MELHOR É ENTREGAR PESSOALMENTE EM BRASÍLIA. Se não puder mande um SEDEX em A.R para:

Comissão Especial InterministerialCEI

Esplanada dos Ministérios Bloco “C”

7º andar sala 748 - Protocolo

CEP 70. 046-900

Brasília – DF -

A/C de Dra. Érida Feliz - Presidente da CEI


Clique na imagem e leia!